terça-feira, 6 de maio de 2008

Infinito de nós dois

Meu poeta eu hoje estou contente
Todo mundo de repente ficou lindo
Ficou lindo
Eu hoje estou me rindo
Nem eu mesma sei de que
Porque eu recebi
Uma cartinhazinha de você
Se você quer ser minha namorada
Ai que linda namorada
Você poderia ser
Se quiser ser somente minha
Exatamente essa coisinha
Essa coisa toda minha
Que ninguém mais pode ser
Você tem que me fazer
Um juramento
De só ter um pensamento
Ser só minha até morrer
E também de não perder esse jeitinho
De falar devagarinho
Essas histórias de você
E de repente me fazer muito carinho
E chorar bem de mansinho
Sem ninguém saber porque

E se mais do que minha namorada
Você quer ser minha amada
Minha amada, mas amada pra valer
Aquela amada pelo amor predestinada
Sem a qual a vida ‚ nada
Sem a qual se quer morrer
Você tem que vir comigo
Em meu caminho
E talvez o meu caminho
Seja triste pra você
Os seus olhos tem que ser só dos meus olhos
E os seus braços o meu ninho
No silêncio de depois
E você tem de ser a estrela derradeira
Minha amiga e companheira
No infinito de nós dois

Vinícius de Moraes

2 comentários:

Mi disse...

Vinícius é sempre lindo, intenso, sublime! E essa poesia é tão gostosa de se ler, né? :)

Beijinhos, preta!

AlmA FeLina disse...

Quanta verdade num poema.
Sinto que esse tal de Vinícius (rsrs), amou de verdade.
Porque é... assim, tão assim.
Exatamente assim.

Chego cada vez mais à conclusão: é muito mais que só sexo. Sim, senhores!! hahahahah

amor e um chêro, nega.