quarta-feira, 13 de julho de 2011

Dose de realidade

Eu conheço pouca gente que vive todo o tempo de realidade. E a menos que você viva no mundo irreal do facebook, os dias de todos nós, pobre mortais, está longe de ser feliz integralmente ou composto por situações que possamos expor sem vergonha, receio e fotos de momentos inesquecíveis.

Ou você tira foto de quando você leva um pé na bunda ou uma bronca do chefe com legenda: momento memorável - eu no escritório, com cara inchada e feliz porque a comida que levei do chefe neste momento, me fará uma pessoa melhor.  

Não, não faz!
 
É até engraçado a facilidade com que se fala sobre o que fez e desfez, ainda que seja um monte de mentiras. É o final que se deseja contar, que quer que as pessoas saibam. 

Prefiro o processo. É geralmente doloroso, nem um pouco cheio de glamour, mas o que faz com que seja o que realmente é. A transformação, o movimento até onde se quer chegar, é o que mais admiro, é o que me envolve. Chamar um táxi é fácil, ir caminhando e falar sobre os calos e bolhas nos pés não.

No fundo, penso que o bom choque de realidade concreta, aquela incontestável, com realidade de fatos, dados, circunstâncias, provas, números absolutos, lógica e geralmente com muita dureza, é o que faz a gente pensar na possibilidade de mudança. É preciso ter coragem para mudar.

Cada um é dono do seu castelo e cada um escolhe a coroa que quiser. Mas a mesma mão que constrói o castelinho de areia, é o que o faz desmoronar. 

Viver de sonho idealizado com venda e mordaça, só faz com que a gente fique justificando cada erro, criando enredos iguais, com mocinhos com o mesmo corte de cabelo e o velho cavalo branco fora de moda. A gente enfeita, perfuma, escolhe trilha, a iluminação do roteiro e ainda jura que pode fazer com o que o final seja na hora cravada em que escolheu.

Não dá certo. Custa caro. Sonhar é muito bom, viver de sonho não. Sonho não alimenta. Se alimenta, não sacia.

Depois de mentir pra si mesmo com tanta clareza que te faz cegar, é chegada à hora de culpar o mundo pelos desamores da vida, o destino, o acaso, o divino. Hora de repetir a história pra quem não tem o menor interesse em ouvir, porque ninguém quer ver o mesmo episódio da novela milhares de vezes. E tudo porque a gente fantasia até o sorriso banguela, querendo, desejando com toda a força que seja um sorriso cheio de dentes brilhantes e perfeito como aqueles que a gente vê nos comerciais de TV.

Para alguns parece mais fácil viver de mentira e deixar a verdade ir passando um pouco todos os dias, pelas frestas de todos os enganos que a gente inventa. A verdade clichê diz que sempre se há de aparecer. Por isso, antes tarde, do que mais tarde ainda. E mesmo que seja uma verdade com vertentes diferentes daquela que um dia sonhou, com uma versão mais triste daquela do espelho e das fotos ensaiadas, é a que você pode ter rédea sobre ela. Por mais que desnude seus medos e fragilidades, que te enfeie, te diminua, desvalorize, é a que você pode mudar para que possivelmente consiga vê-la como um dia de fato ela pode ser.


quinta-feira, 7 de julho de 2011

Fique linda!

Hoje em dia é comum a gente recorrer a internet para conseguir algumas e boas dicas de maquiagem! Os sites estão bombando com novidades e blogueiras em vários lugares do mundo mostram o que sabem de moda em vídeos que fazem o maior sucesso!

Mas a menina de cinco anos supera quaquer vídeo que eu já vi! Madson Hohrine, conta no YouTube como se maquiar, dá dicas e mostra seus produtos com muita desenvoltura e simpatia. 
Apesar de em alguns vídeos não conseguir fazer a auto-maquiagem tão perfeitamente, ela explica direitinho como ter um bom resultado.

E eu que pensei em mostrar algumas novidades (que pra quem entende e está super antenada, talvez nem seja tão novidade assim...) de maquiagem, os batons e sombras em adesivo, novas cores de esmaltes... Fica para outra hora.

Confira um dos vídeos da fofura gorata prodígio!

terça-feira, 5 de julho de 2011

Momento brigadeiro!

Foto do site Casa e Jardim
Nesses dias friorentos a gente costuma sentar no sofá e ter vontades de não sei o quê.
Pode ser brigadeiro. Que tal?!

Essa receita é da chefe Renata Cruz, do restaurante Amici e foi publicada no site da Revista Casa e Jardim. Nunca tinha feito uma receita de brigadeiro com creme de leite. Fica macio, derrete na boca, hummm!


BRIGADEIRO CREMOSO 

Ingredientes
2 latas de Leite Moça (não pode ser genérico)
2 colheres (sopa) de manteiga
1 xícara de Nescau (não pode ser genérico)
2 colheres (sopa) de creme de leite

Modo de preparo
Em fogo médio, derreta a manteiga. Em seguida, agregue o Leite Moça e o Nescau.
Misture e não pare de mexer. Deixe no fogo até que comece a desgrudar do fundo.
Deixe esfriar um pouco e acrescente o creme de leite fresco. Misture bem e sirva! 


Ideias mais sofisticadas...

Na mesma revista, uma outra matéria fala sobre uma nova geração de brigadeiro: o gourmet. 
O velho e tradicional brigadeiro abre espaço para um docinho cada vez mais diferenciado!
Leia a matéria na íntegra aqui e veja as ideias para preparo e para embalagens! 

E TEM MAIS!

Para Chá de Panela, por exemplo, o kit Santo Antônio do Maria Brigadeiro é muito legal.  Além dessa fofura, o atelier produz a TPM Alívio - toda mulher merece! :)



Fotos do site Casa e Jardim

E ainda para quem quer ficar craque, é só comprar o livro dedicado a delícia! 
"O LIVRO DO BRIGADEIRO" é da Juliana Motter, publicado pela editora Panda Books e custa na faixa de R$30,00.


Bem, chega né?! Agora é só colocar a criatividade para funcionar, mãos à obra e nas colheradas é claro!
  
em homenagem a Karla Luany, a garota brigadeiro e aniversariante da vez! :)

Thaís

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Antigo barco, próximo destino.

Hoje voltei no tempo alguns anos sem por um minuto deixar de estar aqui. No mesmo e velho endereço, ambiente maior e um pouco mudado e as mesmas guloseimas a tira colo. Os mesmos olhos, os mesmos cheiros... E a doce ou amarga hora de lembrar. Marcas do tempo nos rostos, marcas em cada pequena expressão. Tudo que perdeu a inocência e deu espaço para a profundidade e dimensão.

Um monte de dor, mais um monte de aprendizado; um tanto de realizações, várias novas pessoas, sotaques e muitas histórias para contar: sempre igual, sempre diferente.

Permeando tudo isso, aquilo que me fez ficar acordada com grandes olhos brilhantes durante a noite, sei que fez com que outros permanecessem em movimento na maioria das vezes – para pensar sobre as mesmas coisas sempre indefinidas.

Num tempo ora limitado e em outros momentos intermináveis, atravessei o oceano como se estivesse num barquinho de papel no meio da maré alta, acompanhada de tudo aquilo que não podia deixar de levar, afinal o que a gente tem dentro do peito vai para qualquer lugar do mundo, sem medida, tamanho, excesso de bagagem e sem precisar de visto. 

Uma hora a gente tem que dar de encontro com o destino, que não necessariamente precisa ser o final. Mas é inevitável, a mala precisa ser descarregada. As roupas chegam amassadas, algumas coisas podem ser perdidas e pacotes extraviados. 

O lado bom é que quase tudo pode ser recuperado e na hora de voltar, a gente ainda consegue trazer na mesma e velha mala mais um montante de saudade e novidades, pois ainda que tenha sido ruim, sabemos que foi bom. 

E um tempo depois pensamos que somos capazes de fazer a mesma viagem sozinha, com as mesmas bugigangas e com a certeza de que podemos carregar todo aquele peso sem sequer pensar em desistir. 


sábado, 2 de julho de 2011

Tindolelê!

Hoje todo mundo resolveu fazer homenagem ao aniversário de 25 anos da Xuxa na Globo. Em diversos lugares do mundo, a galera em peso fazendo a pose clássica do LP (coisa antiga, hein?!), de 1900 e bolinha. (Veja a matéria no G1)
Esse beijo de batom também era clássico! Todo mundo mandava cartinha lambuzada, era um horror! (mas era moda! :))
Em seguida, essa minha foto tosca é para ilustrar uma das peripécias fase infanto juvenil parte 1! (já publiquei e é bem antiga (graças a Deus)).
Normal vai! Tinha gente que queria ser a Xuxa ou as paquitas, tem gente que queria ser Madonna e conheço gente que queria até ser Chacrete! hahaha 
Pois bem. Eu gostava da Xuxa, contudo, tinha meio que um combinado com a minha irmã. Ela era a Xuxa e eu a Angélica - minimizava brigas! ;) Ou seja, era meio do contra e super a favor da Angélica, de blue jeans, com aquele cabelo liso-cheio-inexplicável!  

Eu era dramática desde criança! Adorova sentar no sofá com a minha irmã, of couse, chorávamos ouvindo a música do cãozinho Xuxo que tinha morrido! hahaha
Mas voltando, foi nessa janela que eu brinquei de xuxuxu xáxáxá tantas vezes, e sabe por quê? Por que era ela (a janela) minha Nave Espacial! hahaha - Vou explicar:  
Eu subia no sofá e depois na janela (época em que eu cabia ali...), enquanto minha mana me trancava. Aí soltava o som ♪ ♪ Pãn, pãn, pãn, pãn, pãn bom estarrr com você, brincar com você, deixar correr solto o que a gente quiserrrr ♪ ♪ Saía da janela como se tivesse saído da Nave! E pra completar tinha o batedor de carne, que fazia as vezes do microfone... Tempo feliz aquele em que a gente esperava pra tomar café da manhã com a Xuxa! hahaha
Eu não tenho uma foto com o Bozo, mas tenho foto com a Xuxa! :) Só que era do tempo que rebobinava (é assim que fala?!) o filme e mandava revelar! :)
Ah, no colégio ainda fiz um trabalho de vídeo (Planeta Xuxa) e adivinha quem era a Xuxa? Eu parecia muito mais uma fat family! (mas a nota foi boa! hahaha)
Teca, essa momento eu dividi com você! :) Rá! (e eu sei, estou te devendo um texto ;))

T.